• Tiago Brugnara

A foto da lua no parque dos pumas

O relógio marcava 22h. A lua estava linda, clareando quase tudo na minha volta. Eu, às vezes, desligava os faróis e dirigia entre as pedras e os guanacos só com a claridade dela.


Estava morto de cansado. Havia começado o dia um pouco ao norte de O’HIggins, acordado na beira de um rio e tomado café na fila da balsa. A essa altura a Carretera Austral não era mais uma divertida aventura, era só uma aventura. Eu já tinha chegado ao final dela, tinha concluído meu sonho, agora estava voltando para poder passa a fronteira pelo Passo Roballo. Meu plano do dia era dormir em Cochrane, mas depois de abastecer, ir ao mercado, tentado uns contatos no tinder, desisti e resolvi seguir em frente até onde eu aguentasse. Cheguei no Parque Patagônia - Reserva Nacional Tamango. O lugar é tão incrível que é a moradia da Sra. Tompikins fundadora do parque Pumalín junto com seu marido. Ela ex-CEO da marca de artigos esportivos Patagônia, ele fundador da North Face. Nada mal.


Fazia poucos dias que eu tinha passado por ai e feito um recorrido de uns 15km andando pelo meio do campo, dos guanacos vivos e das ossadas de guanacos menos rápidos. Sim, exatamente isso, aquelas cenas da Discovey Channel de pumas caçando, matando e comendo aconteciam também ali, exatamente onde eu tava caminhando. E guanacos são animais mais rápidos que eu. No centro de atendimento ao visitante tinha uma placa dizendo: "não fique triste se você não viu um puma, ele certamente viu você." Não era exatamente o que eu gostaria de ler antes de um trekking. “Vou fazer uma foto dessa lua” eu pensei e, enquanto armava o tripé naquele lusco-fusco, pensava na frase que eu tinha lido fazia poucos dias nesse mesmo parque. Dessa vez eu estava sozinho. Sozinho na kombi e a kombi sozinha na estradinha estreita de pedra no meio da reserva nacional em algum lugar na fronteira entre o Chile e a Argentina.


Fixei a câmera, ajustei o obturador pra uns 20 segundos, tentava fazer o foco na kombi com a ajuda da lanterna quando vejo dois olhos brilhando com o reflexo da minha luz. Dois olhos e a silueta de duas orelhas. Aquelas duas retinas vermelhas estavam olhando pra mim. Eu senti como se uma pedra de gelo glacial tivesse escorrendo pelas minhas costas. Coração acelerou e...


Não, não era um puma, era só um pacifico guanaco indignado com a minha ousadia em perturbar o sono dele. Decidi fazer só esse clique e ir embora. Não via a hora de cruzar a fronteira.

foto da kombi Trip Castelhana sob o luar
Foto Noturna Lua Parque Patagônia - Chile.

Trajeto a trip Sentido Sul no dia 7 de Fevereiro de 2020.


18 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Definição de felicidade

Acho que eu descobri a definição de felicidade. Passeando hoje no final da tarde de domingo, Tomando uma cervejinha, escutando Vera Loca,